Começo este post com a seguinte ressalva: não sou nutricionista, só vou começar a faculdade no próximo semestre, e nada do que for falado aqui substitui uma consulta individual. Quem me conhece sabe o tanto que eu evito falar sobre questões alimentares, porém vejo que muitas pessoas estão completamente perdidas nesta área e espero que de alguma forma eu auxilie até mesmo no sentido de que procure ajuda. Aviso que exporei aqui minha opinião pessoal embasada em leituras e conversas com profissionais da área. Caso encontre alguma informação sobre a qual discorde, peço que me informe. Tendo dito isso, hoje vou começar a falar sobre a polêmica dos industrializados e a minha história com os mesmos.

Sempre que alguém me pede alguma dica de alimentação a minha resposta é: evite os industrializados! Sabe por que? Pois são ricos em conservantes e aditivos químicos, costumam ter muita gordura trans, sódio (sal) etc. A cada dia que passa estes produtos são associados a mais problemas de saúde, como enxaqueca (eu que o diga!), diabetes, obesidade, enfartos, derrames e até cânceres e doenças degenerativas, como Parkinson e  Alzheimer.

Para quem não conhece minha história, eu iniciei minha maratona de emagrecimento aos 9 anos. Nesta época os médicos e nutricionistas sugeriram que eu comesse tudo diet e light e usasse adoçante em tudo. Não existia qualquer restrição quanto aos industrializados. Na minha alimentação tinha muita gelatina e pudim diet, tudo quanto é doce que você imaginar feito com adoçante, muita barra de cereal, club social, cream cracker, margarina light e por aí vai. Em contrapartida tinham poucas frutas, legumes, verduras e gordura (sim, hoje eu sei que determinadas gorduras fazem bem, como azeite de oliva, oleaginosas, óleo de coco e até mesmo manteiga e banha – melhores do que a tal margarina light).

Industrializados tidos como saudáveis por muito tempo
Industrializados tidos como saudáveis por muito tempo

 

Na minha maior fase de “engorda”, após o casamento, a alimentação se resumia a miojo, nuggets, salsicha, hambúrguer, creme de leite, queijo ralado e batata palha. Além de sorvete, chocolate e biscoito recheado. Isso quando eu não pedia uma pizza no almoço e comia sozinha. Até que eu tinha noção de que estes alimentos não eram lá os mais saudáveis, mas eram baratos e práticos, o que na época para mim era o suficiente e o mais importante.

Base da minha alimentação antigamente
Base da minha alimentação antigamente

Só que com isso eu fiquei cada vez pior. E não falo só de ter engordado; falo da enxaqueca, falta de disposição, dificuldade para me concentrar, problemas de memória e por aí vai. Não sei até que ponto foi decorrência da má alimentação, mas com certeza teve influência dela.

Quando eu descobri que esse tanto de industrializados não fazia bem (tem bem pouco tempo) foi difícil aceitar. Como tanto nutricionista já me recomendou estes produtos e agora alguém vem me falar que faz mal para a saúde? Mas é light, é diet! Como não faz bem??? O fato é que estamos sempre evoluindo, em todos aspectos, e aprendendo coisas novas, revendo velhas verdades.

Quando eu falo sobre os industrializados as reações que mais escuto são:

“Então eu vou comer o quê???” (o que seus avós, seus bisavós, seus tataravós comiam antes de existir esse tanto de industrializados?)

“Não tenho tempo de fazer comida em casa” (você já ouviu aquele ditado que diz que se você não arrumar tempo para cuidar da saúde vai ter que arrumar para a doença?)

“Acho isso um exagero, vou continuar comendo tudo o que costumo comer” (ninguém é obrigado a aceitar nada, cada qual faz o que bem quiser de sua vida, mas acreditar que tais produtos não tragam malefícios para a saúde é se fazer de cego, mil perdões pela sinceridade)

Eu não estou falando para cortar definitivamente tudo que é industrializado, mas sim para se informar melhor, ler os rótulos dos alimentos, procurar entender os prejuízos que determinadas substâncias podem trazer à sua saúde. E, sempre que possível, optar pelo natural.

Aos poucos pretendo trazer nesta área informações que possam lhe ser úteis, só peço que mantenha a mente aberta e não ache que tudo que você conhece até então seja a única verdade.

Baixe GRATUITAMENTE Meu eBook
Guia prático para controlar seu principal inimigo no emagrecimento: sua mente!

 

ebook mariana